quinta-feira, 1 de maio de 2014

ONIPOTENCIA

                                                       


A grandeza do poder de Deus é vista nas obras por Ele criadas, a vastidão do universo se confunde com a nossa imaginação, os reinos macro e microscópicos são igualmente complexos, o DNA humano é algo sublime e maravilhoso. Seu poder criativo é tanto incomensurável como incompreensível; Deus tem todo poder em todo o tempo (nada existe fora D’Ele) para fazer tudo que esteja em conformidade com a sua natureza.


PALAVRAS-CHAVES
Deus, Caráter, Vontade

No livro do profeta Jeremias (32.17) há uma descrição excelente para a onipotência divina – “Ah Senhor Jeová! Eis que tu fizeste os céus e a terra com o teu grande poder e com o teu braço estendido; não te é maravilhosa demais coisa alguma”. A onipotência divina Lhe permite realizar completamente a Sua vontade. Faz-se necessário entender que Deus é um Ser perfeito, e que Sua vontade é perfeita; Ele não se permite tomar atitudes irracionais, independente de ter poder para realizá-las.


Toda causa é
anterior a seu efeito, Deus é o único ser que existe por Si mesmo; Deus é causa, nunca efeito de algo anterior a Ele. Seu poder causal é infinito; por ser “incriado” Ele é ato puro, nunca há perda de poder em Deus ou gasto de energia divina. Ele existe por si mesmo, independe de matéria para existir. Deus é perfeito em sua essência, natureza, soberania, vontade ou quaisquer outros atributos ou qualidades que pudessem ser relacionados.
Deus pode criar ou fazer qualquer coisa, porém, devido a sua própria natureza e santidade perfeitas, tudo que é contrário à Sua vontade nunca é realizado. Isto jamais implica em menos poder, antes demonstra uma autolimitação da Sua vontade. Deus nada faz que seja contrário à Sua natureza, nem coisas contraditórias entre si.
Louis Berkhof em seu livro de Teologia Sistemática, ressalta que “a importância da vontade divina aparece de várias maneiras na Escritura. É apresentada como a causa final de todas as coisas. Tudo é derivado dela; a criação e a preservação, Sl 135.6; Jr 18.6; Ap 4.11, e até as menores coisas da vida, Mt 10.29.
O poder divino também é manifesto em sua soberania sobre tudo e todos.

 A Bíblia é
rica em relatos demonstrando a soberania e vontade divinas sobre nações, reis, eventos da natureza, anjos ou demônios. Deus é soberano, contudo, a palavra arbitrário está fora de cogitação quando refere-se às qualidades divinas.
O poder divino pode ser definido em potentia Dei absoluta, que é o poder absoluto pelo qual Deus é capaz de fazer o que Ele não fará(mas poder ser feito) e potentia Dei ordinata que é o poder ordenado pelo qual Deus faz o que decidiu ou ordenou fazer. Louis Berkhof saliente que “se Ele não tivesse poder para fazer tudo o que pudesse desejar, não teria poder para fazer tudo o que deseja”.


A excelência de Deus é demonstrada em Seus atributos que se harmonizam entre si e que jamais entram em contradição com sua natureza divina perfeita. O caráter santo de Deus governa Sua vontade, que governa Sua onipotência, que Lhe permite fazer o qualquer coisa que não seja contrário ao Seu caráter.
Pode-se usar o exemplo do livre arbítrio do homem; ele tem liberdade de escolha e vontade própria, sendo assim a soberania divina nunca viola o livre arbítrio humano, pois Deus é soberano e controla tudo o que já
existiu, existe ou existirá. A onipotência divina deixa o cristão tranquilo e com paz interior pois ele sabe que pode recorrer ao seu Pai, Criador do universo quando existem problemas e que nada nem ninguém existe igual ou superior a Ele. A vontade divina é soberana, ética, justa e amorosa para com toda a criação. É a base da paz e confiança de seu povo.