sábado, 17 de novembro de 2012

HOMENS DA BIBLIA - ESAÚ E JACÓ




                                          ESAÚ E JACÓ




                                                    ESAÚ 


(Gênesis 25.19-24, 27.1-46). Quando estavam casados há mais de 19 anos e não tinham nenhum filho, Isaque ficou oprimido e orou sobre a questão (Gênesis 25.21). Deus abençoou Isaque e Rebeca e deu-lhes gêmeos. Os garotos foram chamados Esaú e Jacó (naquela ordem). Nasceram 20 anos depois do casamento de Isaque. Esaú, o mais velho, é o assunto desta lição.
Em alguns aspectos Esaú era como Caim, o primeiro assassino. Em outros aspectos era muito diferente. Enquanto Caim matou seu irmão (Abel) sem razão, Esaú jurou matar seu irmão por uma injustiça (Gênesis 27.41), mas, vindo a oportunidade, arrepende-se e não fez nenhum mal a Jacó (Gênesis 33.4). Podemos ver em Esaú um homem comparativamente bom e de moral, porém alguém sem nenhuma percepção ou convicção espiritual.
Esaú era um caçador astuto (Gênesis 25.27) e foi aparentemente um provedor bem sucedido para sua casa (Gênesis 33.1,9). Foi muito amado por seu pai (Gênesis 25.28) e parece que Esaú o amou de volta (Gênesis 27.30-32). Por outro lado, parece ter nenhumas convicções espirituais. Não deu valor a seu direito de primogenitura, à posição de primeiro filho. Ele a vendeu por uma porção de guisado. Por isso, Paulo refere-se a ele como sendo uma pessoa profana (Hebreus 12.16). Esaú olhou para seu direito de primogenitura com a razão, e não com fé, e, por isso, desejou vendê-la tão barato (Gênesis 25.27-34). Parece que a perda da benção de Esaú foi o resultado da venda de seu direito de primogênito (Hebreus 12.16, Gênesis 27.34).
Independentemente de como vemos Esaú (moral ou imoral, honesto ou desonesto), devemos vê-lo como uma figura do homem natural. Seus feitos, sejam quais forem, são da sua própria direção e não do comando de Deus. Essa é a posição natural de todo homem que está sobre a terra. É por essa razão que Jesus disse: "Vos é necessário nascer de novo" (João 3.3). Jacó, em contraste com Esaú, ilustra o segundo nascimento.


                                                                        JACÓ


 (Gênesis 28-29) - (Estudantes mais sérios deveriam ler até o capítulo 33). Depois de obter a benção astuciosamente, Jacó foi forçado a fugir da terra de Canaã para escapar a morte. Deixou sua casa e foi a Padã-arã para a casa de Labão (seu tio) para conseguir uma esposa. Enquanto viajava, passou uma noite muito especial num lugar que mais tarde veio a ser chamado Betel e que viria a ter um papel muito importante em sua vida. Naquela noite, enquanto dormiu, teve um sonho no qual era uma visão de uma escada que chegava ao céu, com anjos subindo e descendo. Em reação a essa experiência, Jacó fez votos muito importantes (Gênesis 28.18-22). Nem sempre manteve esses votos, mas eles tiveram grande efeitos sobre ele.
Quando chegou na cidade de Labão, imediatamente encontrou Raquel e a amou à primeira vista. Negociou com o pai dela trabalhar 7 anos para obtê-la. Terminado esse prazo, Labão deu-lhe Lia (a irmã mais velha de Raquel) em vez de Raquel. Será que Jacó estaria colhendo o que semeou? Depois disso, Jacó trabalhou outros 7 anos para obter Raquel e ainda outros 7 anos por muito gado e rebanho.
Depois disso, deixou Padã-arã para retornar a Betel. Agora tinha 11 filhos e muitas propriedades, mas não o que poderia ter se tivesse recebido a benção do jeito de Deus em vez de agarrar a benção. Isaque foi um homem rico e Jacó era o principal herdeiro de sua riqueza.
Enquanto Jacó chegava mais próxima a sua terra natal, seu coração encheu-se de temor do seu irmão. Enquanto planejava e esquematizava certa noite, um homem (anjo) de Deus veio e contendeu com Jacó. Em sua teimosia Jacó combatia com força, mas, assim que chegou a noite, o anjo fez que Jacó ficasse sem ação e dependente. Enquanto Jacó agarrava-o humilde e dependentemente, foi abençoado por Deus e seu nome foi alterado. Andou mancado até a morte, mas, agora, dependente, não é mais Jacó o enganador, mas Israel "príncipe de Deus" (Gênesis 32.24-28).
Essa posição teve início com a escolha de Deus por Jacó. (Romanos 9.11-13). Foi efetuada pela graça persistente de Deus sobre ele.